Em 17 anos, inflação nunca fugiu ao controle do BC, diz Tombini

Nos 17 anos de vigência do regime de metas, a inflação nunca fugiu ao controle do Banco Central, segundo o presidente do BC, Alexandre Tombini, que participou nesta sexta-feira (20) de evento sobre metas de inflação no Rio de Janeiro.

“Ainda que, em algumas aferições anuais, a inflação tenha ultrapassado o limite superior do intervalo de tolerância definido pelo Conselho Monetário Nacional, situação prevista e administrável no âmbito do próprio regime de metas, a inflação em si jamais fugiu ao controle  do Banco Central nesses dezessete anos do regime de metas”, disse ele.

Tombini deve ser substituído, nas próximas semanas, pelo ex-economista chefe do Banco Itaú, Ilan Goldfajn. Indicado pelo novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, Goldfajn tem de ser sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal e ter seu nome aprovado por esta comissão e também pelo plenário daquela Casa para assumir o cargo.

Regime de metas
O regime de metas de inflação foi implantado no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso em 1999, e faz parte do chamado “tripé macroeconômico” da economia – que inclui ainda o câmbio flutuante e a responsabilidade fiscal.

Esse regime estabelece uma meta central para a inflação e uma “banda” de flutuação. Para 2016, a meta foi estabelecida em 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para mais ou para menos; assim, a inflação pode ficar ente 2,5% e 6,5% sem formalmente descumprir a meta.

Em 2015, a inflação fechou o ano em 10,67%,bem acima do teto da meta, de 6,5%.

Efetividade
Em seu discurso nesta sexta-feira, Tombini afirmou que, “em algumas ocasiões no passado”, a efetividade do regime de metas chegou a ser contestada, “especialmente em nível internacional” – como, por exemplo, no período pós-crise financeira internacional. “Ao fim e ao cabo, nenhuma autoridade monetária que já fazia uso desse sistema institucional abdicou de seu uso após a crise”, afirmou.

“No Brasil, em uma análise retrospectiva, considero que o regime de metas, adotado pelo país como um dos pilares do tripé macroeconômico que sustentou a estabilização e o crescimento, também superou críticas e vem prestando um bom serviço à nação”, disse Tombini.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *