Venezuela inicia treino militar de preparo contra ‘agressões externas’

Mais de meio milhão de militares e reservistas iniciarão nesta sexta-feira (20) dois dias de exercícios de defesa em uma Venezuela sob estado de exceção e em meio a esforços internacionais para abrir um diálogo entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição.

Maduro ordenou à Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) que mobilize a artilharia para se preparar para enfrentar, segundo ele, eventuais agressões externas, em meio a um aumento dos conflitos sociais e das tentativas da oposição de tirá-lo do poder através de um referendo revogatório.

“Este referendo é para gerar as condições para esquentar as ruas e justificar um golpe de Estado ou uma intervenção estrangeira, para isso estão tentando ativá-lo, com muito pouco apoio”, afirmou Maduro na noite de quinta-feira, em um ato de seu partido socialista.

O presidente chavista sustenta que os Estados Unidos estão planejando uma intervenção na Venezuela, a pedido da “direita fascista venezuelana” após “o golpe de Estado do Brasil” contra Dilma Rousseff.

Os militares venezuelanos farão manobras como as que realizaram depois que o presidente Barack Obama declarou em março de 2015 a Venezuela como uma “ameaça” à segurança dos Estados Unidos.

No entanto, desta vez Maduro decidiu que, aos mais de 160.000 efetivos das FANB, se somem centenas de milhares de reservistas e milicianos, algo “sem precedentes”, segundo o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López.

“Este exercício não é para provocar nenhum alarme no país”, afirmou Padrino, que o justificou afirmando que a Venezuela “está ameaçada” por fatores internos e externos que pretendem “quebrantar a revolução”.

“Fazer estas mobilizações com a desculpa das ameaças externas é uma boa maneira de demonstrar que está” a postos e criar “temor nas pessoas”, declarou à AFP o cientista político Benigno Alarcón.

Depois de ter declarado há uma semana um estado de exceção, Maduro afirmou que não hesitará em decretar a “comoção interna” – que implicaria em restrições a liberdades civis – se ocorrerem atos “golpistas violentos”.

Difícil caminho ao diálogo
À tensão política se soma o aumento do mal-estar social, diante da dramática escassez de alimentos básicos e remédios, e do elevado custo de vida, já que o país tem a inflação mais alta do mundo (180,9% em 2015 e projetada em 700% para 2016).

Na noite de quinta-feira, moradores do setor La Isabelica em Valencia, capital do estado de Carabobo (centro), informaram sobre violentos saques a lojas, o que não foi confirmado pelas autoridades.

Uma mediação internacional de ex-presidentes, a pedido da Unasul, anunciou na quinta-feira que tentará abrir um diálogo nacional diante do agravamento da crise política e econômica na Venezuela.

Mas as posturas antagônicas estão firmes. Maduro disse esperar que a comissão de ex-presidentes faça com que a oposição ceda em sua atitude golpista, enquanto esta advertiu que um processo sério deve destravar a via do revogatório para a “mudança política”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *